Pronunciamentos da Sessão Ordinária de 01 de Junho de 2015

01/06/2015



vereadora Roseli de Souza (PDT) exibiu aos presentes fotos da situação enfrentada pela comunidade do Beco da Coruja e da Vila Azul, onde um esgoto corre a céu aberto em frente às casas e disse que na época de campanha, enquanto visitava essa comunidade, a única coisa que eles queriam do Executivo é que dessem um jeito nessa situação, com a canalização do esgoto, que não é culpa dessa administração, frisou ela, que já existe desde que o loteamento surgiu, e que é área verde sim, mas que ela viu que há muitos canos armazenados na prefeitura, que se coloque de 10 em 10 se for o caso, mas que o que falta realmente para solucionar essa questão é boa vontade. Ela disse que sabe que é fácil ir a tribuna criticar quando se é oposição, mas que o povo já está cansado e descrente, pois já faz 2 anos e meio que a administração assumiu a gestão e até agora nada foi feito. Roseli disse ainda que se fala tanto em preservação do meio ambiente que é até um absurdo exibir as fotos daquela localidade naquele estado em pleno século XXI, pois o povo está sofrendo com mau cheio, insetos e ratos, correndo o risco de contrair perigosas doenças. 
vereador Orison Cezar (PSDB) desabafou toda sua indignação com o descaso total do Executivo Municipal, tanto com os vereadores, como com a comunidade. Ele relatou que recebeu um telefonema de um cidadão cobrando dele, de modo incisivo, a situação do cemitério municipal e que é urgente que se tome providências com a situação em que se encontra o município. Orison se questionou o que dizer para a comunidade que espera e cobra ações do Executivo, pois como vereador não sabe mais o que fazer, uma vez que o prefeito ignora completamente os pedidos de providências feitos pelo Legislativo. "O que falta? O prefeito vir assistir a uma sessão? Há uma engrenagem funcionando toda segunda-feira para fazer as sessões, há toda uma estrutura que gera gastos com assessores e material, será que o prefeito está surdo? Ele quer fazer concha acústica e abrir avenidas sofisticadas para fazer marketing e com as questões sociais ele não se importa! Vocês sabem quantos médicos nós temos? Temos 23 médicos e mais dois cubanos, são 25 médicos, enquanto Montenegro tem 17 e Taquari tem 14. Bom Princípio tem 20 e São Jerônimo, 13. E aí o que os vereadores vão fazer? O que vamos fazer? Nós temos nos questionado sobre isso. Nós não temos mais que aprovar nenhum projeto enquanto o prefeito não resolver as coisas pendentes de solução, pois nós temos que dar satisfação para a população. Não há cabimento!", indignou-se. 
A vereadora Katia Souza (PR) rodou um áudio de uma entrevista do prefeito a que ela se referiu na semana anterior, sobre a crítica que ele fez ao seu pronunciamento na sessão descentralizada realizada na localidade de Catupi. No áudio da entrevista se ouviu claramente o prefeito Mauro Poeta afirmar que Triunfo não só está a frente no que toca ao PPCI, como também tem dinheiro para adquirir os equipamentos e extintores para todas as escolas e creches do município. Ele também diz que o PPCI está no Corpo de Bombeiros de Taquari para ser aprovado e que o Município tem um ano ainda para se adequar às normas. Katia salientou que fez questão de rodar o áudio da entrevista para que todos ouvissem o próprio prefeito afirmando que o Município tem dinheiro para comprar os extintores, porque um grupo de pais e mães de alunos da escola Farroupilha já estava se organizando para comprar os extintores antes que uma tragédia aconteça. Katia relatou ainda que foi uma "novela" conseguir o áudio da entrevista junto à rádio AM 1240, de São Jerônimo, estava enrolando para entregar a gravação. Katia salientou que o prefeito é que é mal informado, pois ele não sabe que as mães largam seus filhos na escola todos os dias temendo pela vida deles, pois o prefeito não sabe que as escolas e creches não possuem PPCI e extintores de incêndio, pois o prefeito alega ter prazo até 2016, e o que restará às mães se não ficarem rezando para que até lá uma tragédia não aconteça com seus filhos, pois ela, a vereadora, não é contra a Saúde, nem contra a compra de carros, mas que luta por prioridades e que está fazendo uma pesquisa nas cidades vizinhas para saber se lá eles também estão esperando o prazo findar e à mercê de uma tragédia ou se os prefeitos já providenciaram a devida prevenção e segurança para as escolas, pois o prefeito Mauro Poeta está brincando com coisa séria.
vereadora Rita Cunha (PR) relatou sua participação no seminário do PDT, em Santa Maria, nos dias 29 e 30 de maio, e disse que como líder de bancada decidiu informar a todos que o PDT não apoia a redução da maioridade penal, mas sim uma reforma no Estatuto da Criança e do Adolescente. "O PDT de Leonel Brizola, como o nosso parceiro Nelson gosta de falar, é o Partido da educação, e o PDT através de um fórum tomou uma decisão a nível nacional, que o PDT não apoia a maioridade penal, o PDT que é o partido da Educação, partido do Leonel Brizola, que lutou pelas escolas de turno integral, ele não pode apoiar que crianças vá para a cadeia, ele não tem como fazer isso, porque nós vamos estar formando novos ladrões, novos assaltantes, novos assassinos, mas o PDT se coloca para discutir a questão do nosso Estatuto da Criança e do Adolescente. Ai sim, se fazer uma forma diferente de se internar essa criança, esse adolescente, que ele não nos mate mais, que ele não se drogue mais, que ele não entre nas nossas casas", relatou. Rita também disse que o deputado Geovani Cherini disse, durante o seminário em Santa Maria, que 56% da arrecadação do Estado são revertidos para pagamento de aposentadorias, que o Estado está falido e isso reflete nos Municípios, sendo necessário que se faça uma nova reforma administrativa no Estado, porque senão o Estado não terá condições de manter os gaúchos por muito tempo.
vereador Valmir Massena (PDT) disse que se torna muito repetitivo os vereadores falarem os mesmo assuntos, mas que há questões das quais não se pode fugir. Ele relatou que na Vila Azul há uma criança com problemas especiais, filho da Claudete e do Edelar, e que ele fala em nome desse casal em prol da vila, pois esse casal sofre bastante em ter que se deslocar com seu filho naquelas condições apresentadas pela vereadora Roseli em suas fotos e que, inclusive, a comunidade está fazendo uma vaquinha para tentar sanar o problema em frente a residência dessa família que tem o filho com problemas de saúde. Valmir também relatou que, embora não seja muito adepto a redes sociais que teve contato com o projeto de autoria do cidadão Rodrigo Vasco, um projeto com ideias novas e que ele será parceiro do projeto, do autor Rodrigo e da comunidade, que os problemas e questões da comunidade serão representados por ele com muito orgulho, porque os vereadores são pagos para isso.
O vereador Jeferson Wolff (PMDB) disse que esteve na semana passada em um seminário de vereadores do PMDB em que o Geovani Feltes fez colocações a respeito da situação do Estado e que é preciso que os vereadores façam cada vez mais dentro da casa legislativa, com perspectivas para recuperar as finanças do Estado, pois uma das colocações preocupantes feitas por Giovani Feltes foi a de que para fechar as contas deste ano o Estado não deveria pagar três folhas de pagamento e por isso que o Estado está com inúmeros cortes. Jeferson disse ainda que propôs ao Giovani Feltes que venha a Triunfo explanar a situação do Estado para o Hospital Santa Rita, porque quando o hospital veio ao Legislativo, foi dito que deveria cobrar do Estado. "Mas como é que vamos cobrar do estado, se o Estado não tem condições de arcar com mais encargos do que ele já está?", reconsiderou ele. Jeferson ainda se referiu ao problema exposto pela colega Roseli, relatando que a informação que tem, dada pelo gerente da Corsan na reunião do Conselho Municipal do Meio Ambiente, é a de que se não fosse encaminhado projeto durante o mês de maio o Município poderia perder o recurso e que é importante que se realize uma reunião com a superintendência da Corsan para saber como ficou o projeto, se foi ou não modificado, pois o problema existe porque o tratamento não está sendo feito e a Corsan tem a obrigação de fazer e os vereadores, a obrigação de cobrar da Corsan se já há um projeto em andamento.

 

 

Redação/Edição: Tatiana Vasco/Razek Cunha